Sala de
Imprensa

Fechar
12.07.2018
Justiça suspende Lei que proíbe foie gras nos restaurantes de BH

Tribunal de Justiça de Minas Gerais acaba de julgar como procedente ADI protocolada pela Abrasel-MG, em abril deste ano, contra decreto 11.008

O consumo de foie gras nos restaurantes de Belo Horizonte poderá ser retomado. Isso porque o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) acaba de julgar como procedente uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade), protocolada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel-MG), em abril deste ano, contra a Lei municipal nº 11.008, cujo texto, sancionado pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte em 2016, proibia a comercialização da iguaria.

De acordo com o advogado Pedro Ottoni, da Araújo Massote & Moss Advogados Associados, responsável pela assessoria jurídica da Abrasel-MG, o fim da discussão foi possível devido a não interposição de recurso por parte da Prefeitura e da Câmara Municipal. “Dessa forma, ocorre, assim, o encerramento em definitivo do processo, com desfecho favorável à associação, no sentido de garantir a comercialização do foie gras”, explica.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi protocolada pela ABRASEL-MG, sob o argumento de que o município não tem competência legislativa para poder disciplinar o assunto.  “Cabe a ele [o município] apenas regulamentar a matéria. O que se percebe é que a citada lei municipal acabou por extrapolar esse limite ao proibir a comercialização do foie gras, sobretudo pelo fato de que não há lei federal ou estadual nesse sentido”, afirma o presidente da Abrasel-MG, Ricardo Rodrigues, acrescentando que a invalidação da lei 11.008 é uma grande e incontestável vitória para a associação.

Entenda o caso

A Lei Municipal 11.008, sancionada pela Prefeitura de Belo Horizonte, em dezembro de 2016, estabeleceu a proibição da comercialização do foie gras (fígado de pato, ganso e marreco), até então servido como iguaria, principalmente nos restaurantes de alta gastronomia.

A polêmica em torno do prato está no modo de produção, já que o fígado é obtido por meio de um processo considerado agressor. A técnica, chamada de “gavage” (em francês “alimentação forçada”, em tradução livre), consiste em superalimentar os bichos por meio de um tubo enfiado no esôfago a fim de aumentar o órgão do animal até dez vezes, nas semanas anteriores ao abate. Dessa forma ele terá mais sabor e suculência, tornando-se atrativo para os chefs de cozinha.

De acordo com o autor da proposta, o ex-vereador Lúcio Bocão (PP), a gavage maltrata as aves, além de causar problemas no tubo digestivo dos animais. Por isso, o parlamentar criou o PL 1637/15, que foi aprovado em segundo turno, em novembro de 2016, e sancionado em dezembro do mesmo ano pelo então prefeito Márcio Lacerda. A partir daí o desrespeito à proibição de venda e produção do foie gras passou a acarretar ao infrator multa no valor de R$5 mil, aplicada em dobro nos casos de reincidência.

ASSESSORIA DE IMPRENSA:

Agenda Comunicação Integrada

Jornalistas responsáveis: Maíra Rolim e Daniel de Andrade

Contato: (31) 3021-0204 | (31) 9 9120-1068 | (31) 9 7348-9500

WhatsApp: (31) 9 8500-1358

Facebook.com/agendacomunicacao

Instagram: agendacomunicacao

www.agendacomunica.com.br