Sala de
Imprensa

Fechar
14.12.2015
Moquecas baiana e capixaba: conheça a diferença

O verão chegou. Dentre os destinos preferidos dos mineiros, estão Espírito Santo e Bahia. E um dos pratos preferidos no verão são as moquecas.

Quando o assunto é uma típica moqueca, há sempre quem pergunta: “a baiana ou capixaba?” Apesar do primeiro nome ser o mesmo e os ingredientes parecido, diferenças significantes, é fato que os sabores são incomparáveis. Enquanto a da Bahia é flexível e se adapta a diversos frutos do mar, a do Espírito Santo é convencional e não mistura o peixe a outros pescados.

Cada qual com seu aroma e cor característicos, ambas as moquecas são unânimes nos acompanhamentos: o arroz, a farofa e o pirão são presenças garantidas. Na capixaba, a iguaria é composta por peixe, comumente dourado ou badejo, cebola, tomate, coentro, azeite de oliva e urucum (coloral). Já na baiana, sai o urucum e entram azeite-de-dendê e leite de coco.

Segundo Deusa Prado, chef de cozinha e proprietária do tradicional Alguidares, restaurante especializado em comida baiana, a versão da terra dos Orixás permite variações. “A essência é sempre a mesma, mas você pode encontrar moquecas com qualquer frutos do mar e, muitas vezes, com vários, incluindo camarão, lagosta, lula, peixe e polvo”, afirma. Em seu restaurante, a iguaria é vendida em porções que servem de 1 a 4 pessoas. Nas opções para duas pessoas, destaca-se a “Dona Flor” (R$142,90), à base de camarão.

Na disputa, há quem defenda a baiana com unhas e dentes. Outros, só comem a capixaba e ponto. Mas, independentemente de qualquer rivalidade inventada, seja do Espírito Santo ou da Bahia, a moqueca é sempre uma opção deliciosa para jantar, especialmente nesses dias frios de inverno.

Assessoria de Imprensa 

Agenda Comunicação Integrada

Jornalista Responsável: Maíra Rolim

contato: (31) 3021-0204/ 9120-1068

Site: www.agendacom.com.br

www.facebook.com/agendacomunicacao